Chá das 17h

Ingrid Machado

Ingrid Machado: Atrizteza, só que não. ingridmachadu@hotmail.com

sábado, 29 de setembro de 2012

Raiz redonda.


Não quero amores dramáticos
Sexo esporádico 
E qualquer palavra que rime com fronha

Insensata.


Sou péssima com mapas e ainda me mandaram seguir as pistas...
Tisqui tisqui tisqui.

terça-feira, 18 de setembro de 2012

Ali.


Tô de recesso.
Me dei greve.
Fui para as férias em Acapulcos.

Cídio.


Um dia
Meus zoinhos de criança
Brilharam na tua companhia
Me joguei.
Queda livre
Tão livre que num sei.

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

)(*(*&¨¨$@@#¨$%¨&*)&(*)*)(&%&¨$#@$%¨&


e ai sobe um cheiro cítrico
e um vento no rosto
um toque de sei lá
uma água do olho
no peito que samba
a perna que mexe
a boca que quer abrir
a cabeça que tomba
um querer que fica só querendo
a boneca que não pode ter
o choro antes de ir pra casa
e deixa assim, por que...
sei lá
esses dias não to sabendo muito te mim

O fundo da garrafa de vinho.


É foda.
Mulher é foda.
Nasce de uma foda pra ser foda.
A carência é foda.
O sentimento é foda.
A vontade é foda.
Se tem flores em uma data qualquer é foda.
Se ganha uma mensagem no meio do dia por nada é foda.
Se dão um pingo, eu disse, um PINGO, de atenção é foda.
Porra, é foda.
Precisar é foda.
Tudo acaba em foda.
Acaba em foda.
Tá foda.
Tô beba e fudida, véi.
Foi foda.

Hehe


Não quero pensar muito pra depois não me confundir dentro das palavras sem amarração, quero me confundir menos possível pra depois do depois não sei... Não vou adentrar muito em coisas miúdas porque são fáceis de se perder, veja só o caso das bolinhas de gude! Não viu? Tá vendo já se perderam atrás de algum móvel! E aí não é bom pensar muito não, porque quando se pensa muito acaba achando o que se procura e outras coisas, como moedinhas no bolso da calça que estava jogada perto da cama. Se bem que... Nesse caso até que é bom, porque com moedinhas dá pra comprar balas e sair atirando por aí... Não, não, isso não é divertido. Esse negócio de ficar pensando muito.

A ver navios


A música mais cheia de palavras

domingo, 16 de setembro de 2012

These boots are made for walking


Quem vai, pega uma trouxa de roupa e coloca nas costas, dá beijo na testa, apalpa a mão e deixa um sorriso molhado.

Aquele que vai chupa o dedo indicador e aponta para o céu.
Deslocar combina com chinelos e cacos de vidro.
Montar no cavalo pede abertura de pernas.
Ir requer boca seca.

Dia nublado e meu pensamento em você e no tanto que já andei mesmo estando no mesmo lugar.

sábado, 15 de setembro de 2012

Hey ho.


Pode me ignorar 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8... vezes.
Pode me ignorar quantas vezes você quiser que eu não ligo...

Não LIGO mesmo!
hahaha (rindo maleficamente, claro)

zZz...


Posso te dizer que a sua voz de sono me deixa mais apaixonadinha?
E que era a tua voz de sono e a tua cara amassada que eu queria presenciar noite e dia?

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Potocó.


Pé-de-pano, acho interessante você tomar um pouco de água, aqui no mapa diz que coisas incríveis estão para acontecer.

As long as you love me.


O amor é uma merda.
Uma merda que todo mundo precisa botar pra fora.

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Digitales.


Minha lábia está nos dedos.
Se eu fosse homem, tenho certeza, que conquistaria muito mais.

Your wild lies, always start with me.



Vou deixar
as minhas mãos
curiosas
escorregarem
nas tuas costas
até
a tua cintura
e
no que está mais embaixo,
vou deixar
minha boca
mordiscar o teu lábio
inferior
e
encaixar melhor
do que quebra-
cabeça
a minha língua no teu
beco sem saída,
vou te lamber
o pescosso
bem devagar
e
com uma das mãos,
perdidas
pelo teu corpo,
desensacar a tua blusa
e
acariciar comas
minhas unhas roídas a tua barriga,
vou subir
a minha língua
até
a tua orelha
e
fofocar que estou adorando
a sua mão
marinha
na minha perna,
brincarei de balanço no teu ouvido
moço
e
deixarei os "ss"
saírem
enquanto
os teus dedos serelepes
entram.

Minha mão
enfiada
nos teus cabelos,
teu beijo
nu
meu colo,
meu abraço
jáula,
teu olhar
pidão,
meus arre
pios,
tuas veias
pulando
e
eu só
desejando...

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Nonsense.



Te fiz carinho, te beijei a testa, tentei te relaxar
Dormimos em concha para que o sol não nos alcançasse
Você se remexia e eu tentava me concentrar na promessa que te fiz
Que eu estaria bem enquanto você ia ser bem feliz

31/07/10

Rua do bobo número zero.


Vai chegar...
Nem que seja um pedaço de mim.
Só um pedaço!

Plim plim.


"Eu gosto de escrever.
E quem escreve não escreve sozinho."

A grobo me emocionou.

terça-feira, 11 de setembro de 2012

Colorbar.



Sabe o que é longe?
É quando você está com muitaaaaaaaa preguiça, deitado no sofá assistindo alguma coisa na televisão e quer porque quer mudar de canal, aí percebe que o controle remoto está do outro lado da sala. Isso sim, é uma coisa longe.

De letrinhas.


Depois de um tempo, serei bolha de sabão, areia ao vento, desconhecida na rua, um nome como os outros...
Só peço uma única coisinha, que lembre que o meu nome é com o "d" mudo.

Era uma vez.


Quando pego um livro na biblioteca geralmente reparo na última folha, naquela folha que tem aquele papelzinho cheio de linhas e aquelas carimbadas com data de saída e devolução. No livro de hoje, fiquei tão curiosa quando vi a primeira carimbada que dizia dois mil e cinco e quando vi, a chibatada anterior a minha era de dois mil e nove!

Numa dessas fico me indagando o tanto de tempo que esse livro não ficou abandonado, sozinho, jogado as traças, todo triste porque os outros faziam visitas, tomavam café, iam dormir na cabeceira de alguém, na cama de alguém, na companhia de alguém, sendo cuidados, apalpados, jogados pra lá, pra cá até serem devolvidos porque não serviam mais, porque foram pegos por engano, porque saciaram a vontade ou porque tinham que ser devolvidos, ora.

Pobre desse livro que ficou calado durante tanto tempo e com tanta coisa a ser dita... Ainda bem, que eu precisei dele e hoje a gente se completa...
até a próxima carimbada.

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Volare oh oh.


Enquanto eu puder ser sozinha e levar qualquer instante de euforia nas costas, não criarei raízes.
A planta dos meus pés têm velocidade.
No que pisa, machuca.

sábado, 8 de setembro de 2012

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Tarracha.


Se não consegue me alcançar enquanto caminho, então nem tente correr...

Bang Bang.


Virou bala e ficou alojado em meu corpo.
Agora vou conviver com este incomodo, que leva o teu nome.

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Ó baby me leva.


Ahhh se eu pudesse e o meu dinheiro desse, eu não seria daqui, nem de marte, nem da lua, nem de lugar nenhum. Se eu pudesse e o meu dinheiro desse, eu não seria.

http://www.youtube.com/watch?v=iu-rLA4POkI


O sorriso é a curva mais perigosa que alguém pode ter.

Glut glut.


Cortei a palavra corpo ao meio e ela virou copo.
Um copo bem vazio, digo.

terça-feira, 4 de setembro de 2012

... os bons.


Vá, a única coisa que te amarra são cadarços.

Beng Beng.


O duro de separação é que alguma coisa sempre fica...
Nem que seja a borra de café ou um vulto na cozinha.

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

En el ultimo trago.


parei no tempo e em todas as coisas que tenho direito:
os verbos antigos;
o mofo na comida;
a poeira na revista;
a teia de aranha na porta;
o relógio com pilha gasta;
as traças na parede;
a praga nas plantas;
o é isso ou aquilo;
a barata no estômago;
os ossos furando a pele;
o jogo de memória;
a foto amarela;
os rostos distorcidos;
a música no rádio;
a fita cassete na estante;
o pássaro empalhado;
e o vinho, que é a única coisa velha que presta.